"(Re)Projeções" | Projeto Educativo Museu - Externato

"(Re)Projeções" | O Museu foi ao Externato


"(Re)Projeções" é um projeto educativo que, no ano letivo 2017-2018, marca a parceria entre o Museu Dr. Joaquim Manso e o Externato D. Fuas Roupinho.

Os alunos do curso de Artes Visuais  (11º e 12º ano) aventuram-se num novo projeto que tem como objetivo renovar e explorar tradições associadas às vivências nazarenas.

Fazem parte do projeto a exploração e introdução ao vídeo mapping através de uma linguagem artística para explorar os padrões dos "cachenés" (lenços) do traje tradicional feminino, baseando-se também na obra do ceramista Mário Reis, nomeadamente nos painéis que se encontram na Gare do Ascensor da Nazaré.


Este projeto educativo resulta da parceira entre o Externato D. Fuas Roupinho, Museu Dr Joaquim Manso, Reaction AV e Mário Reis.

A 30 de janeiro teve início a primeira sessão do projeto, que culminará a 25 de maio. Saiba mais AQUI.


A tua MARCHA no Museu!



Na Nazaré, O Carnaval é intensamente vivido por toda a comunidade.

O Museu Dr. Joaquim Manso – Museu da Nazaré vem, como habitual, lançar o desafio a todos os grupos carnavalescos e foliões para entregarem uma cópia das marchas (letra e/ou música) no Museu!

Ao longo dos anos, o Museu tem reunido um número considerável de letras de marchas, a mais antiga datada de 1928. Hoje, esta “Marchoteca” constitui a memória de tantos Carnavais nazarenos e é património de todos, em constante atualização.

As marchas poderão ser entregues no próprio Museu, enviadas por e-mail para mjmanso@drcc.gov.pt ou através da nossa página no Facebook ( https://www.facebook.com/MuseudaNazare )

A colaboração de todos é imprescindível para mantermos a “marchoteca do Carnaval da Nazaré”!

O Museu Dr. Joaquim Manso deseja um BOM CARNAVAL a todos os foliões!

BOAS FESTAS!


Desejamos a todos os nossos visitantes, colegas, colaboradores e amigos umas BOAS FESTAS e um Feliz Ano de 2018, com uma grande ONDA de boas surpresas!
 
Informamos que, para além do nosso horário de encerramento atual, estaremos encerrados ao público no dia 26 de dezembro, conforme despacho comum aos Museus da Direção Regional de Cultura do Centro.

Como se orientavam os pescadores...




Semana da Ciência e Tecnologia 2017
Como se orientavam os pescadores...


Para assinalar a Semana da Ciência e Tecnologia, o Museu Dr. Joaquim Manso convida-o para uma visita guiada baseada nos sistemas de comunicação e orientação tradicionais dos pescadores.

Hoje completamente substituídos por novas tecnologias, os “sinais de terra” e “de mar”, os archotes, as pinturas murais, as sondas artesanais, entre outros sistemas de comunicação e orientação, implicavam saberes muitas vezes intuitivos, passados de geração em geração.

Através da exposição do Museu, venha (re)conhecer alguns desses processos!


Data: 23 de novembro, 10h30 e 14h30
Marcação prévia até dia 21 novembro, gratuito
Local: Museu Dr. Joaquim Manso
Rua D. Fuas Roupinho
2450-065 Sítio | NAZARÉ
telef. 262 562 801
mjmanso@drcc.gov.pt
http://mdjm-nazare.blogspot.com
https://www.facebook.com/MuseudaNazare

Visitas Guiadas


O Museu Dr. Joaquim Manso fica localizado no Sítio da Nazaré, junto ao Promontório, de onde se avista uma das mais belas praias de Portugal.

A pesca e as atividades relacionadas marcam esta região e determinam a própria identidade portuguesa, como país de extensa costa e vocação marítima.

O Museu da Nazaré representa esta identidade histórico-cultural, com incidência na cultura do mar. As suas coleções são diversificadas, desde objetos etnográficos e arqueológicos, interessantes testemunhos da evolução geológica e um considerável acervo artístico e fotográfico.

Pretendemos sempre aproximar o Museu à Comunidade, para melhor cumprirmos a nossa função sócio-educativa. 


Qualquer área disciplinar pode, aqui, encontrar elementos enriquecedores da aprendizagem em contexto escolar ou académico.
Mediante marcação prévia e sujeitas às condições de espaço, podem ser realizadas visitas guiadas a grupos escolares, instituições de solidariedade social, passeios turísticos e sénior, entre outros.

Fica o convite para visitar a Nazaré e o Museu Dr. Joaquim Manso!

 

Contactos:
Para visita guiada ou participar em alguma das nossas atividades educativas, contacte-nos através de:
e-mail mjmanso@drcc.gov.pt
telef. 262 562 801
Deolinda Brites / Dóris Santos



Duração: 30 a 60 minutos (máx.)
N.º participantes: 25 (máximo por grupo)
Visita guiada com marcação prévia: 1€/participante (gratuitidade de acordo com as condições regulamentadas)

Jornadas Europeias do Património 2017



no tempo dos FÓSSEIS

 

Assinalando as Jornadas Europeias do Património, este ano dedicadas ao tema “Património e Natureza”, o Museu Dr. Joaquim Manso – Museu da Nazaré apresenta uma mostra da sua coleção de geologia e história natural, com destaque para a sua grande variedade de fósseis de ambiente marinho, provenientes da região.

22 a 24 de setembro 2017
10h às 12h30 | 14h às 18h00
Público-alvo: público em geral


Contactos:
Museu Dr. Joaquim Manso
Rua D. Fuas Roupinho
2450-065 Sítio | NAZARÉ
telef. 262562801
e-mail: mjmanso@drcc.gov.pt
http://mdjm-nazare.blogspot.pt/
https://www.facebook.com/MuseudaNazare/



Percurso "Lenda e História" da Nazaré




Percurso “Lenda & História”

Às quintas-feiras de manhã, entre 13 de julho e 24 de agosto, o Museu Dr. Joaquim Manso – Museu da Nazaré recebe os grupos do percurso "Lenda e & História", do programa "Viver o Mar" / Bandeira Azul, dinamizado pelo Município da Nazaré.

Durante o VERÃO, nas manhãs de quinta-feira, descubra a "Lenda & História" da Nazaré, percorrendo os espaços monumentais do Sítio: Bico da Memória, Capela da Memória, Padrão Vasco da Gama, Santuário de Nossa Senhora da Nazaré e Museu Dr. Joaquim Manso.

Inscrições na Biblioteca de Praia e Centro Cultural da Nazaré.
Concentração junto à Biblioteca de Praia.

António Luís Júnior, uma vida dedicada à construção naval



ANTÓNIO LUÍS JÚNIOR | O Último Calafate da NazaréÉ com muito pesar que partilhamos a notícia do falecimento de um grande “amigo” do Museu Dr. Joaquim Manso e da Nazaré – António Luís Júnior, o “último calafate da Nazaré”.

Com ele, fecha-se um grande ciclo da história da carpintaria naval da Nazaré e, ousamos dizer, do país, que são já muito raros os estaleiros em funcionamento. Com estes homens, desaparecem saberes e, sobretudo, “saberes-fazer” que, por muito que tentássemos registar e documentar, são irrecuperáveis.

António Luís Júnior foi responsável pelo restauro das 5 embarcações tradicionais do Museu, em exposição na praia da Nazaré, num protocolo de colaboração com o Município da Nazaré. A ele se devem também várias miniaturas, modelos, moldes, grades e ferramentas, compradas ou oferecidas a esta instituição.

Em 2013, o Museu Dr. Joaquim Manso dedicou-lhe uma exposição fotográfica: “António Luís Júnior. O último calafate da Nazaré. Imagens de Gisela e Antti Särkilahti. 2012-2013” e a tertúlia “António Luís Júnior. A arte naval em madeira”, que nos permitiu reunir documentação e uma série de fotografias sobre o processo do seu trabalho, generosamente oferecidas por Gisela Barg e Antti Särkilahti.

Após tantas horas passadas a “ouvir” este “calafate” no seu estaleiro, no Porto de Abrigo, sempre disponível para acolher tantos visitantes e investigadores que aí levávamos, surgiu a vontade de passar essas conversas a um documentário – “António Luís Júnior. O Último Calafate da Nazaré” (2015-2017), uma produção do Museu Dr. Joaquim Manso e Câmara Municipal da Nazaré, com recente revisão / som por Célia Quico, apresentado a 27 de Maio de 2017, no “Nazaré. Festa de Filmes do Mar”, no Porto de Abrigo da Nazaré.

Como escreveu Alves Redol, em “Uma Fenda na Muralha” (1959): "Há árvores que estão no pinhal por engano (…). Parecem barcos já feitos, à espera que os ponham a boiar”. Essas árvores, António Luís Júnior conhecia-as como ninguém!

Um grande amigo com quem muito aprendemos. A Nazaré o seu património náutico ficam "órfãos" deste grande "calafate". Que consigamos preservar a sua memória e o legado que nos deixou...

Alguns objetos doados / realizados por António Luís Júnior, da coleção do Museu Dr. Joaquim Manso podem ser consultados
aqui e aqui.



 http://mdjm-nazare.blogspot.pt/2015/01/producao-de-video-sobre-construtor.html

O Outro Lado. Exposição fotográfica sobre a pesca da Nazaré




O OUTRO LADO
Exposição fotográfica de João Delgado
6 julho a 17 setembro 2017

 

Exposição fotográfica de João Delgado, pescador e artista plástico, mostrando o quotidiano da pesca ao largo da Nazaré, nomeadamente através da atividade diária dos barcos “Quinzico”, “Nova Estrelinha”, “Ana António” e “Deus sabe o teu destino”. Deste levantamento resultou a publicação “O Outro Lado” (2003), cujas fotografias agora se expõem no Museu Dr. Joaquim Manso.

Num registo a preto e branco, procurando “reproduzir o mais fielmente possível o quotidiano desta vida”, as imagens organizam-se por “artes”, elegendo a Arte Xávega, o Candil e Pesca do Cerco, Pescas Solitárias, Aparelho, espinel ou anzol, Redes de emalhar e Armadilhas.

Como escreve o autor, “Durante largos meses fotografei, registei, conversei e, por vezes, ajudei no trabalho dos pescadores com quem embarquei. (…) Na vida desta gente nenhum dia é igual ao outro, as vagas do dia anterior não sao as mesmas de hoje; o peixe que se pescou em certo lugar ontem, hoje já lá não está. O céu, a luz que esculpe as paisagens em terra, todos os dias muda. Tudo no mar é mutante. Tudo no mar é intenso, tenso e interessante”.

Organização: Museu Dr. Joaquim Manso, com colaboração de João Delgado

Horário:
terça-feira a domingo | 10h - 12h30 e 14h – 18h00

há VERÃO no Museu | Inscrições



Há VERÃO no MUSEU!

Nestas férias de Verão, entre os mergulhos e brincadeiras na praia, o Museu da Nazaré convida todas as crianças para uma visita e a participar em atividades onde, de uma forma lúdica e divertida, podem ficar a conhecer melhor a Nazaré, o seu património e tradições.

Destinadas a grupos ou participação individual mediante marcação prévia.
Inscrevam-se já! 


+ Informação sobre "As Cores que Pintam o Mar".

+ Informação sobre "Como se veste a Nazaré".

Exposição “José Pereira Cardina. Fabricante de relógios de torre da Nazaré”





Exposição
“José Pereira Cardina. Fabricante de relógios de torre da Nazaré”
Museu Dr. Joaquim Manso – Museu da Nazaré
14 junho a 2 de julho 2017


Durante séculos, foram os sinos e depois os relógios de torre das igrejas e frontarias de Câmaras a regular o tempo das comunidades, das suas horas de trabalho e socialização. Na primeira metade do século XX, em Portugal, há um nome que se destacou na relojoaria de torre – a “Casa Cardina”, da Nazaré.

Da oficina de José Pereira Cardina (1882-1953), saíram relógios de torre batendo horas, horas e quartos, horas e meias horas, horas repetidas, batendo as trindades... com corda para 8 ou 30 dias, espalhados pelo país inteiro. Como refere o investigador Mota Tavares (2005), “com o nome e a firma Cardina viajava para toda a parte o nome da Nazaré”.

Foi o relógio do Santuário de Nossa Senhora da Nazaré, aplicado em 1921, a primeira grande encomenda da “Casa Cardina”, máquina que ainda hoje podemos contemplar em toda a sua magnificência na torre do Santuário, apesar de já se encontrar desligada.

Com a colaboração de familiares, amigos e entidades locais, o Museu Dr. Joaquim Manso apresenta ao público uma exposição sobre este incansável e visionário nome da relojoaria monumental, de que se completaram 135 anos do nascimento a 6 de junho, natural de Porto de Mós, mas radicado na Nazaré desde 1909 para se tratar nos reputados “Banhos Quentes”.

A inauguração será no dia 14 de junho, pelas 15h30, sendo proferidas umas palavras pelo Dr. Mário Bulhões, Historiador de Arte e professor na Universidade Sénior da Nazaré.

Pelas 16h00, no Palácio Real da Confraria de Nossa Senhora da Nazaré, terá lugar a conferência “Relojoaria de Torre em Portugal - de Norte a Sul, em voo de pássaro”, pelo Dr. Fernando Correia de Oliveira, jornalista e investigador do Tempo, em toda a sua multidisciplinaridade. É licenciado em Direito (Universidade de Lisboa) e jornalista desde 1974. Trabalhou 20 anos para a Agência de Notícias Portuguesa, primeiro correspondente português em Pequim (1988-1990), 10 anos com o PÚBLICO (1993-2002) e é freelancer e editor desde 2002, distinguindo-se entre os títulos portugueses dedicados ao tema da Relojoaria. É membro de vários organismos internacionais sobre estudos do Tempo e especialista em Tempo e História da Medição do Tempo para o Governo Português. Contributos para títulos especializados em Espanha, Brasil, México e Coreia do Sul. Mais informação sobre o autor no seu blogue http://estacaochronographica.blogspot.pt/

Como refere o Jornal “O Mensageiro”, em 1946, “Com tão bom relógio, que desde a sua montagem, ainda não adiantou ou atrasou um minuto, não há razão para deixar de ser pontual”.


Organização: Museu Dr. Joaquim Manso, com colaboração de Sérgio Cardina e Rui Remígio
Apoio: Confraria de Nossa Senhora da Nazaré e Universidade Sénior da Nazaré / CMN


Horário:
terça-feira a domingo | 10h -12h30 e 14h – 17h30

MUSEU DR. JOAQUIM MANSO | Direção Regional de Cultura do Centro
Rua D. Fuas Roupinho
2450-065 Sítio | NAZARÉ
mjmanso@drcc.gov.pt
http://mdjm-nazare.blogspot.pt/
https://www.facebook.com/MuseudaNazare

“PELOS QUE ANDAM SOBRE AS ÁGUAS DO MAR" | 150 Anos Raul Brandão




Os produtores do teatro "PELOS QUE ANDAM SOBRE AS ÁGUAS DO MAR" já estão na Nazaré em Residência Artística. Com a colaboração do Museu Dr. Joaquim Manso, a tarde de 23 maio foi dedicada às entrevistas junto da comunidade.
Não falte, no próximo sábado dia 27 de maio, pelas 21h, na Antiga Casa da Câmara da Pederneira, um teatro-documentário a partir do livro "Os Pescadores" de Raul Brandão, no ano em que se comemoram os 150 anos do seu nascimento.

Este é um projeto da Galateia- Edições e Produção Cultural, com apresentação nas várias terras piscatórias do país, referidas naquele célebre livro de Raul Brandão, editado em 1923.
A Nazaré é o palco de estreia, no próximo dia 27 de maio, pelas 21h, na Antiga Casa da Câmara, na Pederneira.
Faça a sua RESERVA para os contactos telem. 931381380 - 965169998 - casadoadro.pederneira@gmail.com

Um evento "NAZARÉ MARÉS DE MAIO"
APOIOS: Fundação GDA e Mútua dos Pescadores
PARCEIROS: Câmara Municipal da Nazaré, Câmara Municipal de Sesimbra, Câmara Municipal de Setúbal, Câmara Municipal do Montijo
OUTROS APOIOS: Museu Dr. Joaquim Manso, CRIA, Setúbal Pesca, SCUPA, IELT, FSCH-UNL / FCT.

********************************************************************************

“PELOS QUE ANDAM SOBRE AS ÁGUAS DO MAR
Espectáculo de teatro-documentário a partir da obra “OS PESCADORES” de Raul Brandão e de entrevistas recolhidas em diferentes comunidades piscatórias.

:: 2017 Ano de Comemoração dos 150 Anos do escritor ::

Partindo do livro de Raul Brandão “OS PESCADORES” e do trabalho de pesquisa junto de comunidades piscatórias, PELOS QUE ANDAM SOBRE AS ÁGUAS DO MAR pretende reflectir e homenagear as várias gerações de homens e mulheres que fizeram do mar a sua vida.
Duas actrizes dão corpo e voz às suas histórias, convocando de forma poética a memória e a paisagem da nossa costa.

Durante uma semana de Residência Artística na Nazaré serão realizadas uma série de entrevistas a homens e mulheres ligados ao mar e à pesca que irão ser integradas no espectáculo através de projecção vídeo.

“E aí vem o saco pela areia acima por entre gritos e o derradeiro esforço das mulheres, dos homens, do pequeno que mal chega à corda, já entregue às mãos rudes que o hão-de afeiçoar, da rapariga com o filho seguro pelo xaile, e do velho desdentado, que já não pode mais e enterra os pés na areia – três figuras para um grupo de trabalho, todas três dobradas a arrastar a mesma cruz da vida”.
(Nazaré, 1923) in “Os Pescadores”, de Raul Brandão.

Dizer o indizível nos Museus

18 de maio é o DIA INTERNACIONAL DOS MUSEUS

Em 2017, o ICOM definiu o tema "Museus e histórias controversas: dizer o indizível em museus" como mote para uma reflexão.
Que histórias indizíveis ou dolorosas podemos contar a partir do Museu Dr. Joaquim Manso?


Aqui fica um pequeno vídeo realizado pela Mónica Figueiredo e Vítor Pombinha, estagiários do Externato D. Fuas Roupinho no Museu Dr. Joaquim Manso, que nos convida a fazer essa reflexão.

Porque há histórias que devem ser contadas...



+ informação


#nazare #museudanazare #dizeroindizivel #dim2017